Entrevista: Professor Doutor Clerton Martins

out 29, 2012

Professor Visitante do Programa de Doutoramento em Estudos Culturais das Universidades do Minho e de Aveiro, o Doutor Clerton Martins estará no III Congresso Internacional em Estudos Culturais, que decorrerá nos dias 28 e 29 de Janeiro de 2013. Nesta edição o tema do Congresso é “ócio, lazer e tempo livre nas culturas contemporâneas”. O Professor Clerton é um dos conferencistas e organizadores do evento. Com formação de base em História pela Universidade de Fortaleza, no Brasil, Mestrado em Recursos Humanos e Organizações e um Doutoramento em Psicologia pela Universitat de Barcelona em 2006, o pós-doutoramento realizado no Instituto Multidisciplinar de Estudios de Ocio (IEO) na Univesidad de Deusto (País Basco/Espanha), hoje, o Professor Clerton Martins coordena o Grupo de Estudos Multidisciplinares sobre Ócio e Tempo Livre, é membro fundador da Asociación Iberoamericana de Estudios de Ocio e também colabora com instituições de ensino superior no Brasil, Equador, México, Portugal e Espanha.

Para além dos estudos académicos relacionados com o tema do Congresso, o Professor acredita ter estado voltado sempre para esta temática: desde o lúdico, às artes e às festas populares do sertão cearense – região do semi-árido do nordeste brasileiro – onde viveu algumas das etapas da sua adolescência, até a iniciação, aos 15 anos, no mercado de trabalho. O Professor considera que essas experiências foram fundamentais e a base do que viria ser a sua tese doutoral anos mais tarde.

Nessa mesma perspetiva o Professor desenvolve estudos paralelos sobre temporalidade social, consumo, cultura e cultura popular, tradição e contemporaneidade, corpo e expressão popular tradicional. No entanto, para ele, estas temáticas não estão dissociadas do tema principal de seus estudos, os estudos sobre ócio, trabalho e tempo livre os quais, por sua vez, se relacionam com diversas áreas da vida contemporânea.

Qual a importância dos estudos sobre ócio, lazer e trabalho?

Professor Doutor Clerton Martins – Na experiência do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade de Fortaleza, na área de investigação Ambiente, Trabalho e Cultura das organizações, que se filia à linha de Produção e Expressão da Subjetividade, acompanhando dois estudos da referida linha; Estudos sobre Cultura das Organizações e Estudos sobre Trabalho e Tempo livre, observou-se que um número considerável de investigações chamavam atenção pela preocupação com a temática sobre o tempo de trabalho, o tempo fora do trabalho, bem como seus efeitos na sociedade e nos sujeitos, sobretudo no sujeito trabalhador.

Nesta espiral de necessidades económicas e existenciais, observamos que nós, sujeitos desse momento contemporâneo, estamos sempre divididos entre as obrigações e o desejo de estarmos livres delas e termos um direito a um tempo nosso, mais autónomo, mais intrínseco aos nossos desejos e nos entregarmos a ele de forma total.

Neste contexto está um agravante: todo processo de educação que gerou os valores de nossa sociedade centrada no trabalho (tempo produtivo) não contempla a orientação para ser/existir num tempo que se elabora na possibilidade do nada fazer que tanto se busca. Sendo isso muito paradoxal, nos convoca reflexões mais profundas. Creio que estudar estas relações nos lança num oceano de possibilidades de enriquecimento de conhecimento sobre a natureza humana, a sociedade, as relações, as dimensões de compreensão e isso é muito rico e também digamos “desafiador”.

Como é a parceria com o programa doutoral de Estudos Culturais?

A parceria se dá a partir de um apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, me proponho a ministrar uma disciplina no doutoramento sobre minha área de investigação introduzindo um núcleo de estudos sobre ócio e cultura no âmbito do doutorado. A equipa liderada pera Doutora Maria Manuel é de muita competência e dedicação e creio estarmos desenvolvendo um excelente trabalho. Nesse congresso teremos aqui, um grande encontro entre os pesquisadores sobre ócio de diversas partes da Europa e América Latina. A parceria tem sido muito satisfatória.

Quais são as expetativas para o congresso ócio, lazer e tempo livre nas culturas contemporâneas?

A grande expectativa já é uma realidade. O núcleo de estudos culturais sobre ócio já é real. Ele se manifesta na organização desse congresso onde surgem discussões sobre temáticas, aproximações com outros investigadores e grupos de pesquisa da rede ibero-americana de estudos sobre ócio e acercamento a muitas temáticas a partir de cada contacto. Esse evento promete muitas discussões e sobretudo produção académica já em processo. Tenho sentido-me bem realizado com esse trabalho junto ao grupo que me acolhe.